Reconstituição do Ligamento Cruzado | Dr. Marcelo GarzellaDr. Marcelo Garzella
 

Reconstituição do Ligamento Cruzado

O objetivo da fisioterapia no pós operatório de reconstrução de LCA é:

  • Minimizar edema e dor;
  • Diminuir os efeitos da imobilidade;
  • Alcançar o ganho gradual da amplitude de movimento (ADM) do joelho respeitando o limite da dor (extensão terminal de 0° e flexão até 145°);
  • Atuar no relaxamento dos espasmos musculares reativos;
  • Recuperar e/ou manter a força muscular e a flexibilidade do membro inferior operado;
  • Normalizar o padrão da marcha, proporcionando independência e segurança em diferentes planos e em escadas;
  • Proporcionar a reeducação funcional proprioceptiva habilitando o paciente para as atividades de vida diária e a prática de esportes.

Na sequência seguem orientações de atividades domiciliares que, se realizadas, aceleram o processo de recuperação pós operatória:

 


1º DIA

  • 1Uso do gelo em compressas por 20 minutos a cada 2 horas;
  • Posicionamento do membro inferior operado: é importante NÃO colocar nada embaixo do joelho (travesseiro, almofada); inicialmente causa conforto ao joelho, mas posteriormente irá interferir na marcha e aumentar a dor;
  • Elevar o membro inferior de modo que o pé fique mais alto que o coração para minimizar o edema (inchaço) e melhorar a reabilitação;
  • Nesta posição descrita podem ser feitos exercícios com o tornozelo para facilitar o retorno venoso.

 

 


2° ao 7º DIA

  • Manter cuidados e orientações anteriores;
  • Iniciar exercícios de mobilidade, duas vezes ao dia:

1) Deitado de costas ou sentado realizar o deslizamento do calcanhar na cama (flexionando o joelho) até o limite da dor; manter por 30 segundos e depois retornar; repetir 10 vezes.

 

 

2) Deitado de costas empurrar o calcanhar em direção aos pés da cama, para facilitar a extensão do joelho, mantendo por 30 segundos; repetir 10 vezes.

 

Iniciar exercícios de força muscular, duas vezes ao dia: Deve ser realizado em ambos os membros inferiores, pois o membro não operado deve ser reforçado para auxiliar o outro neste período em que não pode ser sobrecarregado.

1) Deitado de costas, colocar uma toalha de rosto enrolada embaixo do joelho e apertá-la com a parte posterior do joelho; manter por 30 segundos; repetir 15 vezes.

 


2ª SEMANA

6Manter orientações anteriores;

Na subida de um degrau ou escada colocar na frente à perna não operada, subir o degrau e em seguida levar a operada. Ao descer um degrau, fazer o contrário, colocar sempre na frente a perna operada e depois a não operada. Deste modo não há sobrecarga sobre o joelho operado.

 

Além dos exercícios anteriores devem ser acrescentados


1) Deitado de costas elevar 10 vezes a perna com o joelho estendido, fazendo movimentos lentos, sem pressa.

 

2) Deitar de lado, com o membro inferior operado para cima, abrir a perna por 10 vezes cuidando para manter o joelho estendido.

 

3) Deitado de costas, apertar uma bola ou almofada entre os joelhos; repetir por 10 vezes.

 

4) Deitado de costas, colocar um dos pés numa toalha grande e elevar a perna com o joelho estendido. Deve sentir o alongamento na região posterior da coxa. Fazer nos dois membros inferiores.

3ª SEMANA

  • Após a retirada dos pontos e as cicatrizes cirúrgicas bem fechadas pode ser iniciada a caminhada em piscina térmica;
  • Realizar bicicleta SEM CARGA, apenas para aumentar a mobilidade articular;
  • Incluir o alongamento da panturrilha em pé: de frente para uma parede, colocar um pé à frente e o outro deixar atrás, calcanhar de trás bem apoiado no chão, flexiona o joelho da frente;
  • Realizar em casa os exercícios sugeridos pelo fisioterapeuta, isto acelera a recuperação e o retorno às atividades normais.
 

4ª SEMANA

  • Treino de transferência de peso: ficar apoiado somente sobre o pé da perna operada; manter por 15 segundos e retornar.
  • Pode ser iniciada a subida e descida de degraus com alternância dos membros inferiores de modo normal.
 

5ª a 8ª SEMANA

  • Manter exercícios realizados anteriormente, aumentando o número de repetições;
  • Iniciar o fortalecimento de panturrilha: ficar na ponta dos pés por 8 segundos e depois retornar;
  • Subir e descer escadas normalmente.
   

8ª a 16ª SEMANA

Neste período objetiva-se o retorno às Atividades de Vida Diária (AVDs) e ao final o paciente deve ser capaz de deambular rapidamente, realizar saltos horizontais e verticais, progredir no tempo de sustentação de peso sobre o membro operado; dispor de agilidade nas AVDs. Geralmente é após a décima semana que seu ortopedista ira lhe avaliar e libera-la para ir a academia, com um orientação especifica por escrito.  

Á DISPOSIÇÃO, Dr. Marcelo Garzella e Ft. Simone Bigolin

CLÍNICA ESPECIALIZADA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

Sempre procure um bom profissional na hora de fazer sua cirurgia

Copyrights 2017 ® - Marcelo Garzella - Todos os direitos reservados Desenvolvido por