Pós Menisectomia | Dr. Marcelo GarzellaDr. Marcelo Garzella
 

Pós Menisectomia

A fisioterapia no pós-operatório de meniscetomia objetiva:

  • Diminuir a dor e o edema;
  • Alcançar o ganho gradual da amplitude de movimento (ADM) do joelho respeitando o limite da dor (extensão completa 0° e flexão 145°);
  • Promover o relaxamento dos espasmos musculares reativos;
  • Minimizar a perda e/ou melhorar a força muscular do membro inferior operado e evitar a atrofia muscular;
  • Recuperar a flexibilidade;
  • Normalizar o padrão da marcha, sem claudicações e inseguranças diante de escadas e obstáculos;
  • Realizar a reeducação funcional proprioceptiva visando o retorno às atividades funcionais e esportes.

Na seqüência seguem orientações de atividades domiciliares que, se realizadas, aceleram o processo de recuperação pós operatória:

 


1º DIA

1Uso do gelo em compressas por 20 minutos a cada 2 horas;
Posicionamento do membro inferior operado: é importante NÃO colocar nada embaixo do joelho (travesseiro, almofada); inicialmente causa conforto ao joelho, mas posteriormente irá interferir na marcha e aumentar a dor;
Manter o membro inferior operado elevado de modo que o pé fique mais alto que o coração para minimizar o edema(inchaço) e facilitar a reabilitação;
Nesta posição descrita podem ser feitos exercícios com o tornozelo para facilitar o retorno venoso.

 

 

 

 

 


3° ao 8° DIA

6Na subida de um degrau ou escada colocar na frente à perna não operada, subir o degrau e em seguida levar a operada. Ao descer um degrau, fazer o contrário, colocar sempre na frente a perna operada e depois a não operada. Deste modo não há sobrecarga sobre o joelho operado.

 

 

 

Além dos exercícios anteriores devem ser acrescentados:

 

71) Deitado de costas elevar 10 vezes a perna com o joelho estendido, fazendo movimentos lentos, sem pressa.

2) Deitar de lado, com o membro inferior operado para cima, abrir a perna por 10 vezes cuidando para manter o joelho estendido.

3) Deitado de costas, apertar uma bola ou almofada entre os joelhos; repetir por 10 vezes.

4) Deitado de costas, colocar um dos pés numa toalha grande e elevar a perna com o joelho estendido. Deve sentir o alongamento na região posterior da coxa. Fazer nos dois membros inferiores.

 

 

 

 


3ª e 4ª SEMANA

  • 8Após a retirada dos pontos e as cicatrizes cirúrgicas bem fechadas pode ser iniciada a caminhada em piscina térmica;
  • Realizar bicicleta SEM CARGA, apenas para aumentar a mobilidade articular;
  • Realizar o alongamento da panturrilha em pé;
  • Realizar em casa os exercícios sugeridos pelo fisioterapeuta, isto acelera a recuperação e o retorno às atividades normais.

 

 


5ª e 8ª SEMANA

  • 9Pode ser iniciada a bicicleta com resistência leve por 10 minutos, se tolerado e se não tiver dor durante ou depois sua realização;
  • Treino de transferência de peso: ficar apoiado somente sobre o pé da perna operada; manter por 15 segundos e retornar.
  • Treinar a subida de degraus com transfer6encia de peso para o lado operado: subir com a perna operada na frente e descer com a perna não operada.
  • A partir deste período você já poderá estar apto a retornar para a academia ou outros exercícios específicos, seguindo a orientação do seu medico. Lembre-se que e importante a realização e a continuidade de algum trabalho físico.

 

Á DISPOSIÇÃO,
Dr. Marcelo Garzella e Ft. Simone Bigolin

2º DIA

  • Manter cuidados e orientações anteriores;
  • Iniciar exercícios de mobilidade, duas vezes ao dia:
1) Deitado de costas ou sentado realizar o deslizamento do calcanhar na cama (flexionando o joelho) até o limite da dor; manter por 30 segundos e depois retornar; repetir 10 vezes. 2) Deitado de costas empurrar o calcanhar em direção aos pés da cama, para facilitar a extensão do joelho, mantendo por 30 segundos; repetir 10 vezes. Iniciar exercícios de força muscular, duas vezes ao dia: 51) Deitado de costas, colocar uma toalha de rosto enrolada embaixo do joelho e apertá-la com a parte posterior do joelho; manter por 30 segundos; repetir 15 vezes.

2ª SEMANA

  • Manter uso da crioterapia e elevação do membro para prevenção ou minimização do edema;
  • Importante manter o cuidado na subida de degraus protegendo o joelho de sobrecarga;
  • Como aumenta a segurança do paciente para caminhar mais, é importante redobrar o cuidado com a marcha adequada. Lembrar de apoiar primeiro o calcanhar, depois a borda lateral do pé e finalmente os dedos. EVITAR caminhar na ponta do pé e procurar deixar o joelho reto quando o pé da perna operada toca o solo. Este cuidado com a marcha facilita a liberação completa das muletas e minimiza dores no joelho.
  • Manter exercícios citados anteriormente tanto para mobilidade do joelho quanto para força, porém aumentando o número de repetições para 20 VEZES.

CLÍNICA ESPECIALIZADA EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

Sempre procure um bom profissional na hora de fazer sua cirurgia

Copyrights 2017 ® - Marcelo Garzella - Todos os direitos reservados Desenvolvido por